Presidente croata foi a campo incentivar sua seleção pagando viagem e ingresso do próprio bolso e descontando salários de dias de folga; se fosse no Brasil, como seria?
Nossa seleção brasileira ficou pelo caminho na Copa do Mundo. Nada impede que possamos aprender e treinar com os que seguiram.
Vem da Croácia, novata em copas, um belo exemplo. E não é só pelo futebol que rendeu chegada à final.
A presidente do País, Kolinda Grabar-Kitarovic, tirou dias de folga de suas atividades para incentivar a seleção croata.
O mérito, entretanto, não está no espírito de torcedora da política.
Para acompanhar o time, todos os dias fora de seu mister estão sendo devidamente descontados de sua remuneração oficial.
Kolinda paga o próprio ingresso. Nenhum centavo patrocinado pelos cofres públicos, como costuma ser por aqui em terras verde-amarelas.
Como não viajou a trabalho, a presidente da Croácia pegou avião de carreira até a Rússia. E pagou a passagem do próprio bolso.
Gestos políticos que já fazem da Croácia, uma pequena nação recém-emancipada, campeã.
Porque, fora de campo, a líder do País já fez um gol.
Imagine quanto seria gasto e qual tamanho do aparato de uma viagem presidencial brasileira à uma Copa.
Pra nós, fica a lição.
No país do futebol, no esporte dos exemplos de gestão do dinheiro público, nossos governantes brasileiros só dão bola fora.
MaisPB – Por Heron Cid