Um terremoto de magnitude 6.8, que atingiu o sul da Bolívia por volta das 10h40 (no horário de Brasília) desta segunda-feira (2), foi sentido em cidades do Brasil pouco antes das 11h. Há relatos de que o tremor foi sentido em São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e cidades do Rio Grande Sul e Paraná. Prédios foram evacuados por precaução e não há registro de feridos no território nacional.

Por volta das 10h40, a reportagem do UOL em Brasília sentiu um leve tremor –a mesa de trabalho chegou a balançar. A redação do UOL fica no oitavo andar de um edifício no centro da capital federal. No entanto, parte da reportagem que estava em prédios térreos não sentiu o tremor.

Na capital federal, além do Ministério da Justiça e do MEC (Ministério da Educação), o tremor causou a evacuação também de prédios da Infraero (estatal que administra os aeroportos), da Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal e da Terracap (Companhia Imobiliária de Brasília).

Em São Paulo, prédios da avenida Paulista e a sede do MP (Ministério Público), na rua Riachuelo, todos na região central, foram evacuados. Os funcionários da Promotoria afirmaram que foram retirados após o alarme soar. Por volta do meio-dia, eles continuavam do lado de fora do edifício.

O local do epicentro fica a cerca de 2.000 quilômetros de São Paulo.

Na avenida Paulista, uma das áreas de maior movimento na cidade, um dos locais evacuados foi o edifício comercial localizado no número 777. De acordo com o advogado Hugo Vecchiato, que trabalha em um escritório de advocacia no 17º e último andar da edificação, por volta de 10h50, os funcionários começaram a sentir um mal-estar semelhante a uma crise de labirintite.

“As cortinas começaram a bater, havia algo tremendo. Eu e outros colegas começamos a nos sentir mal. Parecia labirintite”, contou. Em seguida, a direção do edifício determinou a evacuação do local. “Começamos a descer pela escada, mas, às 11h10, autorizaram que subíssemos de novo”, disse.

Também advogado na Paulista, Rodrigo Lazani, 38, contou que sentiu os tremores no prédio onde trabalha, no número 901 da via. “A gente não sabe o que é direito, acabaram de falar que foi um terremoto no Chile que refletiu aqui”, relatou.

Jorge Carpegiani, 36, advogado, trabalha no mesmo local. “Ninguém falou nada, só falaram para descer por segurança. Tocou o alarme e a gente desceu. Anunciaram agora há pouco no megafone aqui fora que era um terremoto”, afirmou. No edifício onde ele trabalha fica também a sede da Petrobras na capital paulista.

Às 11h30, o Corpo de Bombeiros de São Paulo informou que ter recebido chamados sobre abalos nas ruas Cincinato Braga, 321, na região da Paulista, e na rua Boa Esperança, 267, na Vila Maria (zona norte), ambos sem vítimas.

Minas Gerais
Em Minas, o Corpo de Bombeiros confirmou uma “vistoria em risco de desabamento” na rua dos Timbiras, 3156, no bairro Barro Preto (zona sul de Belo Horizonte).

De acordo com a corporação, o solicitante do atendimento relatou tremor no prédio –após vistoria, entretanto, ficou constatado não ter havido abalos na edificação, que tem dez andares. Lá, testemunhas relataram ter sentido o tremor do sexto andar para cima.

“Dificilmente um tremor vai produzir danos no Brasil”
O epicentro do tremor foi registrado em Carandaiti, no sul da Bolívia, região localizada a 1.119 quilômetros da capital La Paz, a uma profundidade de 557 quilômetros, informou o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS). O terremoto também foi sentido no Chile.

“Um sismo profundo tem força suficiente para fazer tremer locais distantes, que foi o que aconteceu em São Paulo, em Brasília”, disse o doutor em sismologia Lucas Vieira Barros, do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília.

“Dificilmente ele vai produzir danos no Brasil. Esse terremoto provavelmente não produziu rachaduras em nenhum prédio no Brasil. O dano maior é o susto que as pessoas sentem”.

Barros indica que o terremoto é um fenômeno rápido, difícil de se prever. “Mesmo se conseguimos prevê-los, não podemos evitá-los, apenas conhecer onde pode acontecer”.

De acordo com os bombeiros, estas dicas podem ser úteis em caso de tremores:

Evacuação dos prédios, quando da percepção do fato, usar escadas de emergência;
A brigada de incêndio deve ser acionada para auxiliar na evacuação;
Normalmente, procuramos rachaduras em elementos estruturais importantes, vigas, colunas, pilares, paredes;
Até a checagem nas estruturas da edificação, a edificação deve estar sem a presença de pessoas;
O ideal é que seja feito um treinamento a cada 6 meses de evacuação da edificação.
No Twitter, usuários relataram os tremores em São Paulo e em Brasília, principalmente.

 

Fonte: UOL