A Polícia Federal prendeu no início da manhã desta quinta-feira, em São Paulo, o advogado José Yunes, amigo e ex-assessor do presidente Michel Temer. Yunes é apontado pelo operador financeiro de Lúcio Funaro, delator da Operação Lava Jato, como um dos responsáveis por administrar propinas entregues ao presidente.

A ordem de prisão temporária, de cinco dias, foi autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF).

O advogado José Luis Oliveira Lima, que representa Yunes, chamou a prisão de ilegal e disse ser uma violência contra a cidadania. “É inaceitável a prisão de um advogado com mais de 50 anos de advocacia, que sempre que intimidado ou mesmo espontaneamente compareceu a todos os atos para colaborar”, disse Lima em nota.

A Polícia Federal informou que não vai se manifestar “a respeito das diligências realizadas na presente data” por determinação do Supremo Tribunal Federal.

Fonte: Redação

Créditos: Veja.com