A preço de hoje, o grupo do governador Ricardo Coutinho é o que congrega a maior quantidade de apoios para o pleito eleitoral, em torno da pré-candidatura do secretário de recursos hídricos, João Azevedo (PSB). Estariam com Azevedo pelo menos 17 partidos (PSB, PDT, PTB, PRB, PPS, DEM, PODEMOS, REDE, PROS, PC DO B, PT, PRTB, PEN, PMB, PPL, AVANTE E PPC).  Ainda há a possibilidade que outros partidos apoiem a candidatura de Azevedo.

O grupo do senador José Maranhão já contaria com pelo menos cinco siglas, contando com o MDB (MDB, PR, PSC, SDD, PHS). O deputado Benjamin Maranhão, sobrinho do senador, já garantiu o apoio do Solidariedade à candidatura do tio.

O grupo de Cartaxo, que por enquanto não se uniu a nenhum outro grupo, contaria com três agremiações (PV, PMN, PSDC). O destino do grupo vai depender das decisões do prefeito Luciano Cartaxo. O nome do grupo poderá ser Lucélio Cartaxo, cujo nome é aventado para disputar o governo ou até o senado na chapa de Azevedo.

Já Cássio Cunha Lima teria, até o momento, reúne apenas dois partidos em torno de seu projeto (PSDB e PSD). O prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, declinou da candidatura para apoiar Luciano Cartaxo, porém até o momento a decisão dele não surtiu efeito. Na prática, o grupo aguarda o próximo passo do prefeito de João Pessoa.

Essa configuração para as eleições, portanto, pode mudar a qualquer momento, a depender do resultado das articulações que estão sendo feitas nos bastidores. Apenas para citar outro exemplo, o deputado Pedro Cunha Lima está articulando sua ida para o PPS. Essa decisão poderá levar o partido para longe do governador.

Além desses grupos, há os partidos independentes, que por enquanto marcham sozinhos rumo à campanha eleitoral (PSL, PSOL, PSTU, NOVO, PCO E PCB).

Vale salientar que a união de siglas para as eleições ainda são articuladas e só serão conhecidas oficialmente entre os dias 20 de julho e 05 de agosto, prazo limite para a realização das convenções partidárias. Até lá, muita água vai passar embaixo da ponte.

Fonte: Polêmica Paraíba