Na era digital que vivemos hoje, as relações sociais têm se estabelecido, com grande proporção, nos ambientes virtuais. A imersão nos espaços virtuais, proporciona a aproximação e o acesso a informações e conteúdo que normalmente seriam inalcançáveis.

A possibilidade de conhecer pessoas, culturas e lugares diferentes sem que seja necessário sair de casa, atrai pessoas para estes ambientes.  A internet despertou nas pessoas o desejo de se encaixar em grupos com outros usuários ao redor do mundo, com os quais tenham interesses em comum.

São vários os nichos com os quais nos deparamos, e são diversos os temas de interesses, como por exemplo, culinária, beleza, cinema, games, artes.

Dentre os vários grupos, existem aqueles que são apaixonados por literatura. Os usuários encontram nestes espaços virtuais, um lugar para compartilhar suas ideias, pensamentos e interesses.

Leia Também:   Estudante tem 45% do corpo queimado ao ser atacada dentro de carro

CLUBES DO LIVRO

Estes usuários passaram a levar para o meio virtual, hábitos que possuíam no ambiente analógico, ressignificando estas experiências. A criação de clubes do livro, que teve um pequeno declínio com o advento do digital, encontra neste meio, uma renascença e se remodelar para a nova forma de existir da sociedade.

Nestas comunidades, os usuários compartilham leituras, PDF’s, resenhas de livros, indicações e constroem um vínculo em torno dos interesses compartilhados.

Mesmo com todos o aparato tecnológico, ainda há aqueles que não abrem mão da experiência de ler um livro físico.

Leia Também:   Quilo de fruto do mar apresenta variação de preços de 85% em João Pessoa

PESQUISA

Uma pesquisa realizada pelo Sindicato Nacional de Editores de Livros (SNEL) e divulgada pela Revista Veja, mostrou que a venda de livros registrou um aumento de 14,81%, no período entre agosto e setembro de 2017 em relação ao mesmo intervalo de 2016. Este foi o maior aumento registrado no ano passado.

Segundo o presidente do SNEL, Marcos de Veiga Pereira, este aumento aconteceu depois da Bienal do Livro realizada no Rio de Janeiro, que possibilitou maior visibilidade dos novos lançamentos.

O SNEL realizou outra pesquisa sobre o aumento de venda de livros no intervalo de 01/01 a 28/01/2018 comparando ao mesmo período do ano passado.

Confira a pesquisa completa

SNEL-01-2018-01T

EXPERIÊNCIAS

Isamayra Junqueira de Lima, de 27 anos, é estudante do curso de Letras na Universidade Federal do Acre (UFAC) e administra o grupo Clube do Livro no Facebook. O grupo surgiu a partir da necessidade de ter um espaço para falar sobre livros com mais liberdade.

“Na verdade, a ideia de criar um clube do livro não foi minha e sim de uma amiga. Ela criou o grupo com o intuito de falarmos em particular sobre os livros que liamos sem que pudéssemos encher nossas timelines de assuntos literários”.

“O que era um grupo destinado a amigas acabou se tornando bem grande quando várias pessoas começaram a querer participar e hoje aí está, bem grande, cheio de leitores, o que nos deixa feliz”.

O que inicialmente era um espaço para amigas compartilharem experiências literárias, hoje tornou-se num grupo com mais de 40 mil membros. O Clube do Livro, criado há 6 anos atrás se destina a trocas de livros, resenhas, divulgação de trabalhos, blogs literários e compartilhamento de ebooks.

A estudante de Letras destaca a importância das livrarias e também da internet para ter acesso a livros e similares: “Sempre que posso vou a livrarias; os meios virtuais também são imprescindíveis para mim”. Para ela, o importante é ter acesso à leitura independente do meio ou suporte utilizado. “Olha, acho que dando para ler é o que basta. Já li muito em pdf, hoje não mais. Prefiro os físicos e ebooks porque são mais práticos assim digamos”.

Leia Também:   Cientista pesquisa maconha para tratar sintomas do autismo

BIBLIOTECAS E LIVRARIAS

Em João Pessoa, têm as bibliotecas Nilo Peçanha, Espaço Cultural José Lins do Rêgo, Sesc e a Central (UFPB). Se tratando de livrarias, na Capital tem a Livraria do Luís, Saraiva, Leitura e o Sebo Cultural que é uma opção para quem quer um ambiente para aproveitar um bom livro e ainda garimpar livros usados com preços baixos. De acordo com o dono do Sebo Cultural, Heriberto Coelho, o Sebo trabalha com vendas presenciais, no entanto, as vendas online se sobressaem comprovando a tese de que os ambientes virtuais têm sido a escolha da maiorias das pessoas e tem proporcionado a disseminação de informações e conteúdos. Sites como Amazon, Leitura, e Livronauta agregam vários sebos culturias onde podem ser realizadas as compras de livros.

Fonte: Polêmica Paraíba

Créditos: Érika Soares