Morte de Marielle desperta ruas e disrupção muda cenário eleitoral de 2018
Manifestantes ocuparam 13 quarteirões da Avenida Paulista; atos em várias cidades homenagearam Marielle Franco. Foto: Reprodução GloboNews – 15.mar.2018

*Por Fernando Rodrigues

O Brasil viu nesta 5ª feira (15.mar.2018) imagens de grandes manifestações em capitais como Rio, São Paulo e Recife. O assassinato da vereadora carioca Marielle Franco pode mudar o cenário político.

No final deste post, uma coleção de imagens que ficaram martelando ao longo do dia nas TVs e nas redes sociais. O Jornal Nacional, da TV Globo, dedicou 35 minutos do seu 1º bloco na 5ª feira à noite ao noticiário sobre Marielle Franco.

A disrupção que a tragédia provoca tem poder para alterar as peças que são competitivas na corrida presidencial. O debate sobre segurança pública já era proeminente. Agora, domina o cenário por completo.

Tragédia no Rio. Clima de 2013

A intervenção federal no Rio completa 1 mês nesta 6ª feira, 16 de março de 2018. Nem nos piores pesadelos do Planalto estava contemplado o assassinato da vereadora Marielle Franco. É devastador para a imagem do governo federal o “efeito demonstração” das manifestações de rua no Rio, São Paulo e em outras cidades.

O senso comum dentro do governo no início da intervenção no Rio era assim: “Os tanques serão instalados na cidade, o policiamento será ostensivo. Os bandidos vão recuar e 1 clima de mais paz reinará em poucas semanas”. Deu tudo errado. A ousadia do crime levou à barbárie com a morte da vereadora carioca.

Marielle era de uma nova geração. Sua atuação como política era o epítome do sentimento por renovação daqueles que atuam na vida pública. Daí a comoção geral.

A morte de Marielle será certamente atribuída à falta de planejamento da ação militar no Rio, decidida em poucas horas e sem calcular minimamente como poderiam ser as reações dos criminosos.

É evidente que algo deveria ter sido feito para conter o crime no Rio. Ocorre que grandes operações requerem mais inteligência por trás. Não foi o que se passou nesse caso da ação militar em solo fluminense.

Mal comparando, os soldados do Exército estão no Rio como os norte-americanos no Vietnã na década de 1960 e início da de 1970: sem conhecer o inimigo nem o terreno. No país asiático, os vietcongs faziam ataques de surpresa. No Rio, a bandidagem conhece como ninguém a selva local. Age com destreza e crueldade – como no assassinato da vereadora.

Só para lembrar: os Estados Unidos tiveram uma de suas mais humilhantes derrotas militares no Vietnã. Foi nessa guerra tresloucada que o então presidente Richard Nixon começou a cavar sua própria cova.

Não há pesquisas disponíveis hoje. Mas possivelmente neste momento Michel Temer e seu governo estão ao rés do chão diante da opinião pública. Não custa lembrar que Temer chamou sua decisão de mandar as Forças Armadas para o Rio de “golpe de mestre”.

É cedo para dizer quais serão todas as consequências. As imagens desta 5ª feira mostraram pessoas marchando espontaneamente nas ruas de várias capitais. Foi assim que começaram os protestos de 2013. No princípio era por causa de 1 aumento de 20 centavos nas tarifas dos ônibus paulistas. Ali começou o mau humor dos brasileiros contra a política tradicional. Agora, pode ser que uma nova onda antiestablishment esteja em formação.

Imagens

A seguir, algumas imagens das manifestações que marcaram a 5ª feira (15.mar.2018):

 

Na Avenida Paulista manifestação se estendeu por 13 quarteirões. Foto: Foto: Reprodução GloboNews – 15.mar.2018

Em Pernambuco, milhares de pessoas se reuniram em frente à Câmara Municipal de Recife. Foto: Reprodução do Twitter/@eduardo_drama

Em Alagoas 1 grupo de pessoas se reuniu em frente a Câmara Municipal de Maceió. Foto: Levante da Juventude – 15.mar.2018.

Uma vigília também foi realizada na na Câmara Municipal de Aracaju (SE) nesta tarde. Foto: Levante da Juventude – 15.mar.2018

Em Curitiba (PR) uma multidão se reuniu na Praça Santos Andrade, em frente a Universidade Federal do Paraná. Foto: Arquivo pessoal/ Igo Martini – 15.mar.2018

Em Nova York, algumas pessoas se reuniram com cartazes de manifestações contra a morte de Marielle Franco. Foto: Reprodução/GloboNews – 15.mar.2015

Em Lisboa, Portugal, na Praça de Luís de Camões, foi realizada uma vigília em memória de Marielle Franco. Foto: Reprodução Twitter / @yurifaminireal

Em ato na praça da Cinelândia, em frente à Câmara do Rio, uma multidão se reuniu para manifestar em memória da vereadora. Foto: Psol – 15.mar.2018.

Também houve ato no centro da capital, no Conic. Manifestantes e representantes de movimentos sociais defenderam temas pelos quais Marielle atuava. Foto: Reprodução/ Twiiter da Deputada Erika Kokay – 15.mar.2018

Também houve ato no centro da capital, no Conic. Manifestantes e representantes de movimentos sociais defenderam temas pelos quais Marielle atuava. Foto: Reprodução/ Twiiter da Deputada Erika Kokay – 15.mar.2018

* Fernando Rodrigues é o criador do Poder360. Repórter, cobriu todas as eleições presidenciais diretas pós-democratização. Acha que o bom jornalismo é essencial e não morre nunca.