Ag. Câmara : “Que sofrimento maior pode ser imposto a uma mulher do que o de ter um filho que é fruto da violência sofrida? Como equilibrar-se entre o amor de mãe e o ódio inevitável ao pai estuprador?”, questiona Tereza Cruvinel, numa dura crítica à aprovação, por 18 deputados homens, contra o voto de uma só deputada mulher, Érika Kokay (PT-DF), da criminalização do aborto em todos os casos, inclusive de estupro e de fetos anencéfalos, exceção acrescentada pelo STF em 2012