Morri de vergonha ao ver aquela cena dos chefes de estado fazendo de conta que não conheciam Michel Temer. O pobre ali, deslocado,descolado, um ninguém e os outros na maior alegria, apertando as mãos, dando tapinhas e ignorando completamente o representante do Brasil. Nem bobo da corte parecia, porque o bobo,com suas palhaçadas, se faz notado e desperta risos. Temer não despertava nada, parecia uma alma penada, uma visagem.
**
Hoje eu vou ficar diante da TV ouvindo a leitura do relatório sobre a denúncia de Janot contra o presidente. Pelos meus cálculos, vem chumbo grosso.Mas pode até ser que não venha.
**
Nem pintando os cabelos Temer está mais. Estão branquinhos, combinando com a sua idade real.
**
Dá pena e não dá. Ele está provando do veneno que destilou há um ano, quando derrubou a sua companheira Dilma.
**
E essa ameaça do Aécio, hein! “Tenho uma ótima memória”, disse ele. Quem ouviu, calou. Nessas horas, “é minhó calá”.
**
O Espaço Cultural lotado com milhares de pessoas no tributo a Belchior e gritando “fora temer”, um espetáculo visual e auditivo raro de se ver. Foi ontem.Quem não foi, perdeu.
**
“Jesus cuida dos meus inimigos”, disse Roberto Cavalcanti em seu mais novo artigo, no Correio. Esse morde e depois assopra.
**
Mas Lula vem aí.
**
Rodrigo Maia, se lamentando diante das críticas do Jaburu “Não tenho o que fazer”. Tem nada, bestinha. Tá só afiando as “zunhas”, esperando a hora do bote.
**
Fabricaram um encontro entre Maranhão e Cartaxo, em Belém, durante o São Pedro, mas os dois estavam em lados opostos e o deputado de lá, Ricardo Marcelo, sequer cumprimentou o prefeito.
**
Houve um encontro sim, casual, mais frio do que congelador de geladeira.
**
Vera, nossa secretária em Bananeiras, botou sua melhor roupa e foi ao São Pedro de Belém com o marido. Chegou na entrada da cidade pelas 9 da noite e só conseguiu chegar no local da festa perto da meia noite.
**
Tava cheio de gente, entupido.
**
E foram três noites de pé atolado.
**
O contorno de Guarabira ficou uma beleza. A paisagem ao redor da nova estrada é de encher as vistas.
**
E vou dormir de novo.