Procuradores que integram a força-tarefa da Operação Lava Jato ameaçam deixar os seus cargos caso a subprocuradora Raquel Dogde seja confirmada em sabatina no Senado como a nova chefe do Ministério Público Federal.

Para muitos dos integrantes da força-tarefa, a indicação de Raquel é uma manobra de Michel Temer e do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes para barrar as investigações da Lava Jato. Raquel também e vista como uma pessoa centralizadora e sem força para comprar as brigas que o atual procurador-geral da República, Rodrigo Janot, encarou por conta das investigações.

Segundo a coluna Expresso, da revista Época, diversos procuradores já teriam informado Janot que pretendem entregar seus cargos. Janot tem argumentado que caso isso aconteça, eles “estariam caindo na armadilha de Temer de rachar a Lava Jato, manietando por dentro as investigações” no momento em que Temer passa a ser investigado. Um outro ponto é que se os procuradores pedirem para sair, Raquel seria poupada do desgaste de afastá-los.

Fonte: Brasil 247