O pequeno Jhony Júnior, de apenas 14 dias de vida, está em casa e confortável nos braços da mãe, em um barraco humilde na Estrutural. Mama sem parar e não se abala com a presença da imprensa ao seu redor. É bem calmo o menino que, na terça-feira (6/6), foi sequestrado da maternidade do Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

Sara Maria da Silva, 19 anos, a mãe, ainda tenta se recuperar do trauma de ter seu filho levado da maternidade pela estudante de enfermagem Gesianna Alencar, 25. Em entrevista na manhã desta quinta (8), ela mudou o tom de voz quando falou da mulher que sequestrou seu primeiro e único filho. “Não perdoo de forma alguma o que ela fez. Não sei como ela pode ter cometido uma crueldade tão grande com um bebê desse tamanho, que foi levado dentro de uma bolsa”, disse.

A jovem conta que chegou em Brasília há um ano. Veio do Piauí, para tentar uma vida melhor. Logo foi trabalhar como babá na casa de uma tia, na Estrutural. Depois, Sara conheceu Jhony dos Santos. Engravidou e o casal foi morar junto, na mesma cidade.

Eles vivem agora, com Jhony Júnior, em um barraco humilde do Setor Santa Luzia, na Estrutural. O espaço de compensado tem apenas 40 metros quadrados. O fogão é velho. A geladeira não funciona. Mas é nesse cantinho que a família pretende criar o menino. “Espero que ele seja jogador de futebol”, sonha a mãe.

Ela disse que espera que a sequestradora do seu bebê fique presa. “Agora, a sede é de justiça”, garantiu a jovem, que teve alta do Hran na noite de quarta-feira.

Leia Também:   Ataque a acampamento pró-Lula deixa duas pessoas feridas

Entenda o caso

Fonte: Metrópoles