Tião Lucena

Parece que Manoel Júnior fez escola e seu método de descumprir acordos previamente firmados está sendo aplicado pelos demais membros do PMDB. Lira que o diga. Fizera acordo com Renan Calheiros para assumir a Presidência da Comissão de Constituição e Justiça e agora Renan quer puxar o seu tapete.

Lira vai cair. Edson Lobão, o preferido de Renan e de Sarney, é muito forte.Sem contar com a fortaleza dos padrinhos. Renan é tão forte que não vai preso. Continua mandando e desmandando no Congresso, mesmo sendo réu em processos que correm no STF. Sarney é outro.Velho, sem mandato, mas mandando. Fez parte da comitiva de Temer na visita a mulher de Lula e está sempre aceso e disposto a tirar uma lapinha do poder.

Lira é um bem intencionado. Chegou ao Senado como suplente e fez história. Se fez respeitar pelo comportamento.E trabalha como nenhum outro colega de Senado faz. Isso desperta ciúme. Ciúme até mesmo entre os colegas da Paraíba, que por debaixo dos panos torcem pelo insucesso do bom sertanejo.

Só não sei se Lira terá a coragem que Gervasio Maia teve. Gervásio foi rifado por Manoel Júnior, não assumiu, como prometeram a ele, a Presidência do PMDB, e saiu. Saiu por cima. É o presidente da Assembléia Legislativa, com fôlego de chegar mais longe nos próximos dois anos.

Vamos ver até onde vai a coragem do senador Raimundo Lira. Se tiver peito, sai e leva uma banda do PMDB. Se não tiver coragem, fica por lá mesmo, desprezado, humilhado e espezinhado pelos caciques que transformaram a legenda numa senzala.