temer_propaganda

Fernando Brito, do Tijolaço, comenta a propaganda do Ministério dos Transportes que virou alvo de críticas na internet: “Lógico que todo mundo que se acha ‘gente boa’ sentiu-se agredido. E mais lógico ainda que o ‘gente boa’ tinha de se virar contra Michel Temer”; para ele, “o problema da publicidade do Governo Michel Temer é que ela se volta para fazer a imagem ‘dele’. Porque Temer se acha o ‘ó do borogodó’, no seu narcisismo.”

Por Fernando Brito, do Tijolaço

Anuncia Lauro Jardim que o Planalto abriu licitação para a escolha de agências de publicidade que se dedicarão à inglória tarefa de  cuidar da imagem de um governo em ruínas.

Segundo a nota de O Globo, o tema proposto às agências é a crise, a recessão, a retomada da economia? Não…São os, acredite, Direitos Humanos, a proteção a  LGBT, idosos e crianças e a pregação da igualdade racial e de gênero.

Embora estes temas sejam apenas para que se realize o exercício de comunicação, não necessariamente para serem as campanhas “para valer” é mais um curiosidade do Governo Temer: desagradar quem o apoia e ser debochado por quem o detesta.

Afinal este é um governo de homens, de brancos, conservador e, de quebra, ainda está propondo tesourar a aposentadoria rural, os benefícios a idosos e a crianças com deficiência e outras maldades contidas na reforma da Previdência.

Num momento de crise, o discurso correto para a comunicação seria o da austeridade, da busca de alternativas para crescer, da restauração da confiança.

Mas quando se perde o foco, a comunicação “despinguela” também e fica querendo ser o que  é só uma microscópica parte dela: uma ideia supostamente genial.

Propaganda “vende” desejo e benefício, não originalidade. Do contrário, cai no ridículo.

Postei lá em cima dois dos “memes” de Facebook que, desde ontem, circulam nas redes sobre a campanha do Ministério dos Transportes com o tema “gente boa também mata”, em tese para mostrar que o uso de celular ao volante é perigosíssimo.

Lógico que todo mundo que se acha “gente boa” sentiu-se agredido.

E mais lógico ainda que o “gente boa” tinha de se virar contra Michel Temer.

Como tenho dito aqui, o problema da publicidade do Governo Michel Temer é que ela se volta para fazer a imagem “dele”.

Porque Temer se acha o “ó do borogodó”, no seu narcisismo.

Tem dúvidas?

Pois então olhe esta matéria da Folha, em agosto de 2015, onde Temer diz que  o país precisa de “alguém que tenha a capacidade de reunificar a todos”.

A autorreferência é tão óbvia quanto imodesta: “este cara sou eu”…

Então procura ser o que não é, por estar convencido que vai ser.

Sr. Temer, a faixa presidencial lhe caiu ao colo sem que o senhor tenha feito nada que não saiba fazer: articular, conspirar e trair.

Já a popularidade não virá assim, por obra da hipocrisia. E seus marqueteiros parecem desconhecer o que James Carville disse na campanha de Bill Clinton e que o senhor não entende, parece:

-É a economia, estúpido.

Brasil 247