gilmar-mendes
Sem esconder sua posição política, o ministro Gilmar
Mendes, do Supremo Tribunal Federal, ironizou o recurso apresentado
nesta tarde pela advocacia-geral da União contra o impeachment da
presidente Dilma Rousseff; “Ah, eles podem ir para o céu, o papa ou o
diabo”, afirmou; hoje cedo, em entrevista ao 247, o ministro José
Eduardo Cardozo criticou Gilmar ao dizer que, no Brasil de hoje,
“direito de defesa vira Operação Tabajara e golpe vira democracia”;
secretário-geral da OEA, Luís Almagro, anunciou que irá levar a
discussão do golpe brasileiro à Corte Interamericana de Direitos
Humanos.
247 – O ministro Gilmar Mendes,
do Supremo Tribunal Federal, ironizou nesta terça-feira 10 o recurso
apresentado nesta tarde pelo ministro José Eduardo Cardozo, da Advocacia
Geral da União (AGU), contra o impeachment da presidente Dilma
Rousseff.
“Ah, eles podem ir para o céu, o papa ou o diabo”, disse Gilmar, quando questionado sobre a ação.
O ministro também ironizou a decisão do presidente
interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), de ter anulado o
impeachment e depois voltado atrás em sua decisão.
“É interessante, né (risos)? Hoje eu vi uma notícia
dizendo que isso (a decisão) foi regado a muita pinga, vinho. Isso até
explica um pouco, né? É, tá muito engraçado isso. Estranho, né? Muito
estranho”, comentou.
Hoje cedo, em entrevista ao 247, Cardozo criticou
Gilmar ao dizer que, no Brasil de hoje, “direito de defesa vira Operação
Tabajara e golpe vira democracia”.
O secretário-geral da OEA (Organização dos Estados
Americanos), Luís Almagro, anunciou, após um novo encontro com a
presidente Dilma, que irá levar a discussão do golpe brasileiro à Corte
Interamericana de Direitos Humanos.
Brasil 247